00:00:00
09 Dec

Privatização dos Correios pode exigir mudança na Constituição, apontam técnicos

A privatização dos Correios anunciada na quarta-feira (21) pelo governo poderá exigir mudanças na Constituição Federal, a depender do formato a ser proposto, segundo consultores legislativos da Câmara dos Deputados ouvidos.

Após reunião do conselho do Programa de Parceira de Investimentos, o ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) informou que o governo pretende privatizar os Correios e outras oito estatais. Ele não deu detalhes de como isso será feito.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) fará um estudo sobre a viabilidade de concretizar a venda dessas empresas.

Caso as análises indiquem que há condições de mercado para a privatização, só, então, será definido o modelo de venda.

“A modelagem de cada uma dessas empresas pode ser completamente diferente uma da outra”, disse Onyx Lorenzoni, durante o anúncio.

De qualquer forma, a privatização das estatais terá de passar pela aprovação do Congresso Nacional, conforme decisão do Supremo Tribunal Federal.

No caso dos Correios, dependendo do que o governo resolver fazer, será preciso aprovar uma proposta legislativa para alterar a Constituição. Atualmente, de acordo com o artigo 21 da Constituição, os Correios detêm o monopólio da prestação do serviço postal.

Segundo os técnicos da Câmara, isso inclui o envio de carta, cartão postal e encomenda postal, além da emissão de selos.

“Esses serviços estão claramente dentro do monopólio. A redação da Constituição é bem restritiva, não dá espaço”, afirma um dos consultores, especialista na área.

Para permitir que empresas privadas operem no setor, seria preciso aprovar uma proposta de emenda à Constituição (PEC), cuja tramitação é mais complexa que a de um projeto de lei comum por exigir o apoio de ao menos três quintos dos parlamentares em dois turnos de votação na Câmara e no Senado.

No entanto, os técnicos da Câmara ponderam que há outros serviços dos Correios que também são oferecidos por empresas privadas, como o de correspondência agrupada (malote) e o de correspondência expressa, o Sedex.

Uma possibilidade, na avaliação dos técnicos legislativos, seria o governo desmembrar os Correios em duas empresas diferentes e somente privatizar a parte que faz o serviço de malote e Sedex.

Dessa forma, bastaria um projeto de lei para alterar a legislação ordinária que trata dos serviços postais, sem necessidade de alteração da Constituição.

You may be interested

Entenda o que muda no aumento do limite para compras no exterior e em free shops
Brasil
3 Visualizações
Brasil
3 Visualizações

Entenda o que muda no aumento do limite para compras no exterior e em free shops

Maria Pazetto - 06/12/2019

Novo valor para compras em free shops começam a valer em 1º de janeiro de 2020. Gasto permitido em território estrangeiro deve passar de US$ 500 para…

Criminosos roubam e usam ônibus como barricadas durante operação da PM na Baixada Fluminense
Brasil
2 Visualizações
Brasil
2 Visualizações

Criminosos roubam e usam ônibus como barricadas durante operação da PM na Baixada Fluminense

Maria Pazetto - 06/12/2019

Homens da Polícia Militar realizam uma operação no Complexo de Santa Teresa, em Belford Roxo, na manhã desta sexta (6). Homens da Polícia Militar realizam uma operação…

Rubens de Almeida Salles Neto é preso em Paranaíba na Operação contra tráfico internacional de drogas
Brasil
8 Visualizações
Brasil
8 Visualizações

Rubens de Almeida Salles Neto é preso em Paranaíba na Operação contra tráfico internacional de drogas

Maria Pazetto - 04/12/2019

PF prende 9 pessoas e apreende 4 aviões em operação contra tráfico internacional de drogas A Polícia Federal de São Paulo deflagrou na manhã desta quarta-feira (4)…

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Most from this category