00:00:00
21 Sep

Privatização dos Correios pode exigir mudança na Constituição, apontam técnicos

A privatização dos Correios anunciada na quarta-feira (21) pelo governo poderá exigir mudanças na Constituição Federal, a depender do formato a ser proposto, segundo consultores legislativos da Câmara dos Deputados ouvidos.

Após reunião do conselho do Programa de Parceira de Investimentos, o ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) informou que o governo pretende privatizar os Correios e outras oito estatais. Ele não deu detalhes de como isso será feito.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) fará um estudo sobre a viabilidade de concretizar a venda dessas empresas.

Caso as análises indiquem que há condições de mercado para a privatização, só, então, será definido o modelo de venda.

“A modelagem de cada uma dessas empresas pode ser completamente diferente uma da outra”, disse Onyx Lorenzoni, durante o anúncio.

De qualquer forma, a privatização das estatais terá de passar pela aprovação do Congresso Nacional, conforme decisão do Supremo Tribunal Federal.

No caso dos Correios, dependendo do que o governo resolver fazer, será preciso aprovar uma proposta legislativa para alterar a Constituição. Atualmente, de acordo com o artigo 21 da Constituição, os Correios detêm o monopólio da prestação do serviço postal.

Segundo os técnicos da Câmara, isso inclui o envio de carta, cartão postal e encomenda postal, além da emissão de selos.

“Esses serviços estão claramente dentro do monopólio. A redação da Constituição é bem restritiva, não dá espaço”, afirma um dos consultores, especialista na área.

Para permitir que empresas privadas operem no setor, seria preciso aprovar uma proposta de emenda à Constituição (PEC), cuja tramitação é mais complexa que a de um projeto de lei comum por exigir o apoio de ao menos três quintos dos parlamentares em dois turnos de votação na Câmara e no Senado.

No entanto, os técnicos da Câmara ponderam que há outros serviços dos Correios que também são oferecidos por empresas privadas, como o de correspondência agrupada (malote) e o de correspondência expressa, o Sedex.

Uma possibilidade, na avaliação dos técnicos legislativos, seria o governo desmembrar os Correios em duas empresas diferentes e somente privatizar a parte que faz o serviço de malote e Sedex.

Dessa forma, bastaria um projeto de lei para alterar a legislação ordinária que trata dos serviços postais, sem necessidade de alteração da Constituição.

You may be interested

Atlas Quantum é condenada a reembolsar cliente
Brasil
Brasil

Atlas Quantum é condenada a reembolsar cliente

Maria Pazetto - 20/09/2019

Envolvida em diversos processos judiciais por não cumprir o que promete, a Atlas Quantum, empresa criado pelos empresário RODRIGO MARQUES DOS SANTOS e FABRICIO SPIAZZI SANFELICE,  foi condenada…

Último dia de seu mandato, Raquel Dodge,‘liberou’ casos de Eunício e Aécio
Lava jato
2 Visualizações
Lava jato
2 Visualizações

Último dia de seu mandato, Raquel Dodge,‘liberou’ casos de Eunício e Aécio

Maria Pazetto - 20/09/2019

A Procuradoria-Geral da República enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) requerimentos de declínio de competência de inquéritos que investigam, na Lava Jato, os ex-senadores Eunício Oliveira (MDB-CE)…

Aposentados da AL Previdência com nomes iniciados em N, O, P e Q devem fazer o recadastramento obrigatório
Alagoas +
1 Visualizações
Alagoas +
1 Visualizações

Aposentados da AL Previdência com nomes iniciados em N, O, P e Q devem fazer o recadastramento obrigatório

Maria Pazetto - 20/09/2019

Os aposentados da Alagoas Previdência com nomes iniciados com as letras N, O, P e Q devem fazer o recadastramento obrigatório a partir desta quinta-feira (19) até…

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Most from this category